Artigos

Com atuação em diversas áreas do Direito Tributário, os profissionais do Sacha Calmon – Misabel Derzi Consultores e Advogados possuem intensa e destacada produção acadêmica.

A Taxa de Fiscalização de Recursos Minerários Instituída em Minas Gerais e a Nova Lei nº 20.414


Neste artigo, Sacha Calmon, Misabel Derzi e André Mendes Moreira, retornam a questão envolvendo a Taxa de Controle, Monitoramento e Fiscalização de Recursos Minerários (TFRM) do Estado de Minas Gerais, diante da aprovação da Lei nº 20.414/2012, que alterou o diploma originário instituidor da taxa.

Em síntese, a novel Lei Estadual diminui e delineia as condutas identificadas com o poder de polícia; extingue isenções fundadas na industrialização do produto mineral no Estado de Minas Gerais; transfere ao executivo a competência para fixação da alíquota da TFRM; e, por fim, estabelece o direito de abatimento do valor recolhido a título de TFAMG (Taxa de Controle e Fiscalização Ambiental do Estado de Minas Gerais).

Os autores então sustentam que, em que pese a grande gama de mudanças realizadas na Lei 19.976, as injuridicidades existentes não foram afastadas, tendo em vista que permanecem condutas administrativa na lista de atividades de polícia que não se amoldam ao conceito previsto no Art. 78, do CTN; a dedução de valores referentes à TFAMG não soluciona o bis in idem; há confiscatoriedade que não é resolvida com delegação inconstitucional de competência legislativa ao Executivo; não se alterou a natureza da base de cálculo da taxa, que se identifica com a de imposto.

Artigo Publicado na Revista Dialética de Direito Tributário nº 210.

Acompanhe todas as nossas publicações

Newsletter

Resumo Diário

Assine o RSS

Conteúdo Relacionado

Da Coisa Julgada Como Direito Fundamental Constitucional Irreversível

O presente estudo tem por objeto sustentar a impossibilidade de flexibilização da coisa julgada advinda de decisões judiciais que declararam a inconstitucionalidade da CSLL após o reconhecimento implícito da constitucionalidade parcial desta contribuição social no julgamento da ADI 15/DF, pelo Supremo Tribunal Federal.

Execução fiscal: a falta de interesse processual em débitos de baixo valor

A execução fiscal, atualmente, é método notoriamente ineficiente, com baixo índice de recuperação de receitas e alto custo operacional. Neste artigo, André Mendes Moreira e Breno Santana Galdino questionam a utilização desse mecanismo para a cobrança de dívidas fiscais de baixa monta, situação na qual a já baixa relação custo/benefício da execução fiscal se torna injustificável.

Selic acrescida a depósitos e indébitos tributários não deve ser tributada

Por André Mendes Moreira e Pedro Henrique Neves Antunes 1) Acréscimos moratórios sobre depósito de tributos e indébito tributário recuperado O depósito de tributos e a repetição do indébito tributário são realidades recorrentes na vida dos contribuintes brasileiros. Aspecto comum a ambos é a incidência da taxa Selic: 1) ao longo do período em que […]