Artigos

Com atuação em diversas áreas do Direito Tributário, os profissionais do Sacha Calmon – Misabel Derzi Consultores e Advogados possuem intensa e destacada produção acadêmica.

A CPMF e os Princípios Constitucionais Tributários


Em 17 de março de 1993, foi editada a Emenda Constitucional nº 03, pela qual a União foi autorizada a instituir o denominado Imposto Provisório sobre Movimentações Financeiras – IPMF. O tributo teria ainda as seguintes características, a teor da EC nº 03/93: vigoraria tão-somente até 31 de dezembro de 1994; teria alíquota de 0,25%, sendo facultado ao Poder Executivo reduzi-la ou restabelecê-la, nos termos da lei; o princípio constitucional da anterioridade anual (art. 150, III, b da CR/88) e a imunidade intergovernamental recíproca (art. 150, VI da CR/88) não lhe seriam aplicáveis; o produto de sua arrecadação não se sujeitaria à repartição com qualquer outra unidade federada. Ocorre, contudo, que a EC nº 03/93 feria duas cláusulas pétreas da Constituição, a saber: o princípio da anterioridade anual e a imunidade intergovernamental recíproca. Em razão disso, o STF julgou-a inconstitucional – e, via de conseqüência, também parte da LC nº 77/93 – no ponto em que afastava o IPMF dos aludidos preceitos magnos (ADI nº 939-7/DF).

O que era imposto passou a ser denominado contribuição – CPMF – sendo o produto de sua arrecadação vinculado ao Fundo Nacional de Saúde. Com essa mudança de espécie tributária (de imposto para contribuição), o início da arrecadação da CPMF passou a subordinar-se não mais à anterioridade anual (como ocorrera com o IPMF), mas sim à espera nonagesimal ou noventena (prevista no art. 195, § 6º da CR/88 para as contribuições sociais). O tributo, entretanto, continuava condicionado a um prazo de validade: dois anos a contar de sua instituição. A CPMF, as contribuições de intervenção no domínio econômico (CIDE-Royalties, CIDE-Combustíveis, et caterva), assim como as contribuições para financiamento da seguridade social incidentes sobre o lucro e a receita das empresas representam, hoje, a maior parte da arrecadação tributária do governo federal. Os efeitos de tais medidas, como visto, são a concentração da arrecadação na União e a menor repartição de receitas de impostos federais com os Estados e Municípios.

Referência:

A CPMF e os Princípios Constitucionais Tributários. In: Curso de Direito Tributário e Finanças Públicas – do fato à norma, da realidade ao conceito jurídico. SANTI, Eurico Marcos Diniz de (organizador). São Paulo: Saraiva, 2008, pp. 726-45.

Acompanhe todas as nossas publicações

Newsletter

Resumo Diário

Assine o RSS

Conteúdo Relacionado

Execução fiscal: a falta de interesse processual em débitos de baixo valor

A execução fiscal, atualmente, é método notoriamente ineficiente, com baixo índice de recuperação de receitas e alto custo operacional. Neste artigo, André Mendes Moreira e Breno Santana Galdino questionam a utilização desse mecanismo para a cobrança de dívidas fiscais de baixa monta, situação na qual a já baixa relação custo/benefício da execução fiscal se torna injustificável.

Selic acrescida a depósitos e indébitos tributários não deve ser tributada

Por André Mendes Moreira e Pedro Henrique Neves Antunes 1) Acréscimos moratórios sobre depósito de tributos e indébito tributário recuperado O depósito de tributos e a repetição do indébito tributário são realidades recorrentes na vida dos contribuintes brasileiros. Aspecto comum a ambos é a incidência da taxa Selic: 1) ao longo do período em que […]

Um novo marco da tributação internacional: blueprints para os pilares 1 e 2 da OCDE

André Mendes Moreira, Fernando Daniel de Moura Fonseca e Aluizio Porcaro Rausch. OCDE promoverá evento virtual de consulta pública em que se pretende discutir o tema. No dia 12 de outubro, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (“OCDE”) oficialmente publicou os Blueprints para os Pilares 1[1] e 2[2], os seus mais recentes projetos […]