Artigos

Com atuação em diversas áreas do Direito Tributário, os profissionais do Sacha Calmon – Misabel Derzi Consultores e Advogados possuem intensa e destacada produção acadêmica.

Criação de holding internacional e tributação de lucros auferidos por controladas no exterior


O artigo, desenvolvido a partir de Opinião Legal emitida, busca avaliar os efeitos tributários da criação de holdings no exterior para unificação de operações internacionais de uma empresa. Os problemas ocorrem em razão da interpretação e validade do Art. 43, §2º do CTN e do Art. 74, da Medida Provisória nº 2.158-35/2001, que determinam a incidência sobre os lucros apurados no balanço e não mais sobre lucros disponibilizados. Além de determinar a incidência sobre momento diverso da disponibilização, a Medida Provisória gera conflitos com convenções internacionais para evitar dupla tributação subscritas pelo Brasil, pois alcança indistintamente lucros oriundos de empresas controladas direta ou indiretamente por controladora brasileira.

Analisando decisões conflitantes proferidas no âmbito do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (CARF), o autor frisa a necessidade de avaliação caso a caso, entendendo que a criação de uma holding em país com o qual o Brasil possua tratado contra a dupla tributação da renda para fins de concentração do faturamento de operações internacionais não implica em benefício fiscal no Brasil em relação ao lucro de controladas indiretas situadas em terceiros países com os quais o Brasil não possua tratado contra a dupla tributação.

Acompanhe todas as nossas publicações

Newsletter

Resumo Diário

Assine o RSS

Conteúdo Relacionado

Causas extintivas do crédito tributário e a pseudo-taxatividade do art. 156 do CTN

O artigo visa analisar, de maneira ampla e aprofundada, as causas extintivas do Crédito Tributário.
Partindo da etimologia da palavra “obrigação”, bem como das correlações existentes entre o Direito Tributário e o Direito Privado, André Mendes Moreira sustenta o caráter exemplificativo do Art. 156 do Código Tributário Nacional (CTN), posto que possível a aplicação de institutos de Direito Privado ao Direito tributário, resguardada sua compatibilidade. A partir daí, divide as causas extintivas do crédito tributário entre as que estão previstas no CTN e as não estão previstas no CTN.
Sobre as causas não previstas no CTN, discorre sobre a dação em pagamento de bens móveis, a confusão e a impossibilidade de cumprimento da prestação.
Sobre as causas previstas, realiza estudo detalhado sobre as modalidades previstas no Art. 156, quais sejam: pagamento, compensação, transação, remissão, prescrição, decadência, conversão do depósito em renda, pagamento antecipado e homologação do lançamento, decisão administrativa irreformável, decisão judicial passada em julgado e dação em pagamento de bens imóveis.

PIS/Cofins – Não Incidência sobre Receitas de Terceiros

Neste artigo, André Mendes Moreira, com base em um estudo aprofundado sobre o histórico do PIS e da COFINS na legislação pátria, bem como sobre os conceitos de receita e faturamento, aponta para a não-incidência das contribuições sobre receitas de terceiros. Amparado também em forte jurisprudência administrativa, o autor conclui que, configurando-se as receitas de terceiros como meras entradas, não seriam estas equiparadas a receitas ou faturamento da pessoa jurídica, configurando sua tributação afronta aos dispositivos do Código Tributário Nacional e ao princípio do não-confisco.

Tax liabilities within groups of companies: case study of Brazil

The objective of this paper is to identify the limitations for the selection of companies within the same corporate group to bear the unpaid taxes due by their co-companies at the Brazilian legal framework. Initially, we analyze the limitations to the selection of the taxpayer and the concept of corporate groups in Brazilian law.
After, we demonstrate the specific restrictions to the transfer of tax obligations to third parties imposed by the National Tax Code and, in the end, we analyze a specific Brazilian legal provision that allocate joint and several liability due to mere belonging to a corporate group. Given this effort, we concluded that simply belonging to a corporate group is not a reason for transferring tax responsibility as per the National Tax Code and, therefore, this cannot be adopted by the Tax Authorities and by the Court System as justification for allocating tax responsibility onto a different company.