Artigos

Com atuação em diversas áreas do Direito Tributário, os profissionais do Sacha Calmon – Misabel Derzi Consultores e Advogados possuem intensa e destacada produção acadêmica.

ICMS – A problemática do minério de ferro na transferência interestadual entre estabelecimentos


Neste artigo, André Mendes Moreira busca analisar a base de cálculo em transferências interestaduais para outro estabelecimento do mesmo contribuinte. No caso, o fisco mineiro, em que pese o beneficiamento realizado pela empresa mineradora, considera devida a incidência tendo em visto (I) ausência de tributação pelo IPI; (II) beneficiamento que se insere na fase de obtenção do produto primário; (III) processo que se difere das previsões de beneficiamento do RIPI.

O autor então sustenta a ilegalidade da incidência do ICMS tendo em vista que na transferência de mercadorias entre estabelecimentos do mesmo contribuinte há mera circulação física de mercadorias e não saída jurídica, não ocorrendo, portanto, o fato gerador do ICMS. Além disso, pontua que a ausência de tributação do IPI não autoriza a tributação pelo ICMS, que deve ser realizada nos limites da matriz prevista constitucionalmente. Por fim, considerando a hipótese de a fiscalização reputar legitima a tributação, aponta que a base de cálculo deve ser o custo da mercadoria produzida, o que tem sido rejeitado pelo Fisco de Minas Gerais, que, por não reconhecer a natureza industrial das atividades de beneficiamento das mineradoras, adota o preço corrente da mercadoria no mercado atacadista do estabelecimento remetente.

Artigo publicado na Revista Fórum de Direito Tributário (RFDT), ano 10, nº 57

Acompanhe todas as nossas publicações

Newsletter

Resumo Diário

Assine o RSS

Conteúdo Relacionado

A tributação dos acréscimos moratórios, pela taxa Selic, de depósitos e indébitos tributários

Espera-se que STF no Tema 962/RG (RE 1.063.187) supere a orientação do STJ firmada nos Temas repetitivos 504 e 505.

Execução fiscal: a falta de interesse processual em débitos de baixo valor

A execução fiscal, atualmente, é método notoriamente ineficiente, com baixo índice de recuperação de receitas e alto custo operacional. Neste artigo, André Mendes Moreira e Breno Santana Galdino questionam a utilização desse mecanismo para a cobrança de dívidas fiscais de baixa monta, situação na qual a já baixa relação custo/benefício da execução fiscal se torna injustificável.

Selic acrescida a depósitos e indébitos tributários não deve ser tributada

Por André Mendes Moreira e Pedro Henrique Neves Antunes 1) Acréscimos moratórios sobre depósito de tributos e indébito tributário recuperado O depósito de tributos e a repetição do indébito tributário são realidades recorrentes na vida dos contribuintes brasileiros. Aspecto comum a ambos é a incidência da taxa Selic: 1) ao longo do período em que […]