Artigos

Com atuação em diversas áreas do Direito Tributário, os profissionais do Sacha Calmon – Misabel Derzi Consultores e Advogados possuem intensa e destacada produção acadêmica.

A Ilegitimidade da exigência de preço público pela ANATEL para o exercício das suas atividades regulares, já financiadas pelo FISTEL


FISTEL – Fundo de fiscalização das Empresas de telecomunicações

O presente trabalho cuida da análise de um suposto preço público instituído pela Anatel, ao ensejo da remuneração da administração dos recursos de numeração realizada pela agência (que possibilita às operadoras a utilização de diferentes números de celulares, sem conflito entre as mesmas).

No texto demonstra-se que, face ao seu caráter compulsório, o preço reveste-se de natureza de taxa, do que decorre a sua inconstitucionalidade, haja vista sua instituição por Resolução (Resolução 541/06) e não mediante lei. Outrossim, demonstra-se que mesmo a lei não poderia instituir cobrança sobre a atividade administrativa em tela, tendo em vista que a Anatel já percebe receitas tributárias para realização de suas atividades (dentre as quais se inclui inexoravelmente a administração dos recursos de numeração) e que os recursos atualmente destinados à Anatel (oriundos da cobrança de TFI e TFF) são muito superiores às necessidades financeiras da autarquia. Dessa forma, se houvesse lei para amparar a exigência da taxa em questão, a mesma seria inconstitucional, pois destina-se a financiar atividades que já são superavitárias, violando os princípios constitucionais da razoabilidade, proporcionalidade e do não-confisco.

Referência:

MOREIRA, André Mendes. A Ilegitimidade da exigência de preço público pela ANATEL para o exercício das suas atividades regulares, já financiadas pelo FISTEL – Fundo de fiscalização das Empresas de telecomunicações. Tributação dos serviços de comunicação. São Paulo: Editora Noeses, 2009, v. , p. 03-20.

Acompanhe todas as nossas publicações

Newsletter

Resumo Diário

Assine o RSS

Conteúdo Relacionado

A tributação dos acréscimos moratórios, pela taxa Selic, de depósitos e indébitos tributários

Espera-se que STF no Tema 962/RG (RE 1.063.187) supere a orientação do STJ firmada nos Temas repetitivos 504 e 505.

Execução fiscal: a falta de interesse processual em débitos de baixo valor

A execução fiscal, atualmente, é método notoriamente ineficiente, com baixo índice de recuperação de receitas e alto custo operacional. Neste artigo, André Mendes Moreira e Breno Santana Galdino questionam a utilização desse mecanismo para a cobrança de dívidas fiscais de baixa monta, situação na qual a já baixa relação custo/benefício da execução fiscal se torna injustificável.

Selic acrescida a depósitos e indébitos tributários não deve ser tributada

Por André Mendes Moreira e Pedro Henrique Neves Antunes 1) Acréscimos moratórios sobre depósito de tributos e indébito tributário recuperado O depósito de tributos e a repetição do indébito tributário são realidades recorrentes na vida dos contribuintes brasileiros. Aspecto comum a ambos é a incidência da taxa Selic: 1) ao longo do período em que […]