Artigos

Com atuação em diversas áreas do Direito Tributário, os profissionais do Sacha Calmon – Misabel Derzi Consultores e Advogados possuem intensa e destacada produção acadêmica.

Não cumulatividade do IPI e o direito ao crédito sobre produtos intermediários


Neste artigo, André Mendes Moreira debruça-se sobre a regra de não-cumulatividade do Imposto sobre Produtos Industrializados e busca elucidar a existência do direito de crédito sobre os produtos intermediários. O IPI, que tem sua não-cumulatividade prevista desde sua origem, na Constituição, tem suas principais regras delineadas pela legislação infraconstitucional, posto que a Constituição é concisa neste ponto.

Em razão disso, as principais referências legislativas referentes à não-cumulatividade do IPI são encontradas na Lei nº 4.502/1964 e nos regulamentos do IPI ao longo dos tempos. Ocorre que, na legislação infraconstitucional e, mais especificamente, infralegal, observou-se diversas tentativas de limitar a amplitude na não-cumulatividade do IPI. Decorre, dessas legislações a vedação ao crédito sobre bens do ativo imobilizado e a tentativa de limitação referente aos produtos intermediários.

O autor então defende a completa ilegalidade de restrição do direito de crédito sobre os produtos intermediários, entendidos estes como os produtos utilizados no processo industrial que fossem consumidos total ou parcialmente na produção do produto final. Isto porque, a exigência de requisitos como consumo imediato e integral, como previsto em certos atos administrativos, é extrair da legislação sentido que não possui.

Artigo publicado na Revista Fórum de Direito Tributário nº 53, Ano 9

Acompanhe todas as nossas publicações

Newsletter

Resumo Diário

Assine o RSS

Conteúdo Relacionado

ICMS/ST – Responsabilidade do Substituto em Razão de Decisão Judicial obtida pelo Substituído

A obtenção de decisões em processos judiciais movidos pelos substituídos que determinam o não recolhimento do ICMS/ST pelos substitutos.

ICMS sobre os encargos financeiros nas vendas a prazo e sobre garantia estendida

Neste artigo, André Mendes Moreira e Marina Machado Marques analisam se, em vendas financiadas ou a prazo, os valores referentes aos encargos financeiros e referentes à garantia estendida compõem a base de cálculo do ICMS-mercadorias.

Apuração de créditos de ICMS pela aquisição de ativos imobilizados: CIAP e alcance da LC 87/96

A evolução legislativa da forma de creditamento do ICMS incidente na aquisição de bens para compor o ativo imobilizado, a sua correta conceituação.