Artigos

Com atuação em diversas áreas do Direito Tributário, os profissionais do Sacha Calmon – Misabel Derzi Consultores e Advogados possuem intensa e destacada produção acadêmica.

Não cumulatividade do IPI e o direito ao crédito sobre produtos intermediários


Neste artigo, André Mendes Moreira debruça-se sobre a regra de não-cumulatividade do Imposto sobre Produtos Industrializados e busca elucidar a existência do direito de crédito sobre os produtos intermediários. O IPI, que tem sua não-cumulatividade prevista desde sua origem, na Constituição, tem suas principais regras delineadas pela legislação infraconstitucional, posto que a Constituição é concisa neste ponto.

Em razão disso, as principais referências legislativas referentes à não-cumulatividade do IPI são encontradas na Lei nº 4.502/1964 e nos regulamentos do IPI ao longo dos tempos. Ocorre que, na legislação infraconstitucional e, mais especificamente, infralegal, observou-se diversas tentativas de limitar a amplitude na não-cumulatividade do IPI. Decorre, dessas legislações a vedação ao crédito sobre bens do ativo imobilizado e a tentativa de limitação referente aos produtos intermediários.

O autor então defende a completa ilegalidade de restrição do direito de crédito sobre os produtos intermediários, entendidos estes como os produtos utilizados no processo industrial que fossem consumidos total ou parcialmente na produção do produto final. Isto porque, a exigência de requisitos como consumo imediato e integral, como previsto em certos atos administrativos, é extrair da legislação sentido que não possui.

Artigo publicado na Revista Fórum de Direito Tributário nº 53, Ano 9

Acompanhe todas as nossas publicações

Newsletter

Resumo Diário

Assine o RSS

Conteúdo Relacionado

Execução fiscal: a falta de interesse processual em débitos de baixo valor

A execução fiscal, atualmente, é método notoriamente ineficiente, com baixo índice de recuperação de receitas e alto custo operacional. Neste artigo, André Mendes Moreira e Breno Santana Galdino questionam a utilização desse mecanismo para a cobrança de dívidas fiscais de baixa monta, situação na qual a já baixa relação custo/benefício da execução fiscal se torna injustificável.

Selic acrescida a depósitos e indébitos tributários não deve ser tributada

Por André Mendes Moreira e Pedro Henrique Neves Antunes 1) Acréscimos moratórios sobre depósito de tributos e indébito tributário recuperado O depósito de tributos e a repetição do indébito tributário são realidades recorrentes na vida dos contribuintes brasileiros. Aspecto comum a ambos é a incidência da taxa Selic: 1) ao longo do período em que […]

Um novo marco da tributação internacional: blueprints para os pilares 1 e 2 da OCDE

André Mendes Moreira, Fernando Daniel de Moura Fonseca e Aluizio Porcaro Rausch. OCDE promoverá evento virtual de consulta pública em que se pretende discutir o tema. No dia 12 de outubro, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (“OCDE”) oficialmente publicou os Blueprints para os Pilares 1[1] e 2[2], os seus mais recentes projetos […]