Artigos

Com atuação em diversas áreas do Direito Tributário, os profissionais do Sacha Calmon – Misabel Derzi Consultores e Advogados possuem intensa e destacada produção acadêmica.

Análise das Leis 4.357/64, 8.212/91 e 11.051/04


Uma análise das leis nºs 4.357/64, 8.212/91 e 11.051/04

Acentuaram-se, nos últimos tempos, os debates acerca da possibilidade de aplicação de multa à pessoa jurídica que distribui lucros, bonificações ou dividendos a seus sócios, diretores ou acionistas, estando em débito perante a Receita Federal ou o Instituto Nacional do Seguro Social (atualmente, Secretaria da Receita Previdenciária). A razão das discussões foi o advento da Lei nº 11.051/04, que, dentre outras medidas, modificou a redação do art. 32 da Lei nº 4.357/64, o qual trouxe a primeira autorização em nosso ordenamento jurídico para penalização das empresas nas hipóteses mencionadas supra.

Nessa linha, este artigo é estruturado em três partes: primeiramente, são as disposições das Leis nºs 4.357/64, 8.212/91 e 11.051/04, que curam da matéria ora trazida a baila; em segundo lugar, o conceito de débito em aberto (perante a União e o INSS) é delineado; por derradeiro, são tecidas considerações acerca das hipóteses em que é possível a aplicação das penalidades sub examine, trazendo, ao fim e ao cabo, nossas conclusões sobre a questão.

O artigo conclui que mesmo possuindo débito em aberto o contribuinte não poderá ser apenado pela distribuição de lucros, dividendos ou bonificações, desde que, após a aludida distribuição, permaneça com patrimônio suficiente para, caso seja necessário, quitar o débito tributário em questão.

Por fim, especificamente no que tange à proibição de distribuição de dividendos pelas S/As temos que a norma é de todo inválida, pois prejudica o direito dos acionistas minoritários e confronta a obrigação legal dos administradores de, em apurando lucro, distribuírem os dividendos em cada exercício.

Referência:

MOREIRA, André Mendes. A proibição de distribuição de lucros, dividendos e bonificações por empresas em débito perante a União Federal e a Secretaria da Receita Previdenciária – uma análise das leis nºs 4.357/64, 8.212/91 e 11.051/04. In: As Contribuições para o Custeio da Seguridade Social a Cargo das Empresas. COÊLHO, Sacha Calmon Navarro (organizador). São Paulo: Quartier Latin, 2007, pp. 88-110.

Acompanhe todas as nossas publicações

Newsletter

Resumo Diário

Assine o RSS

Conteúdo Relacionado

Aspectos controvertidos da incidência de contribuições previdenciárias sobre a produção rural

Este artigo tem o objetivo de abordar, de maneira ampla, os aspectos controvertidos da incidência de contribuições previdenciárias sobre a produção rural.

Lei anticorrupção e a responsabilidade do administrador

A exposição versa sobre a Lei anticorrupção e a responsabilidade do administrador. Buscou-se dividir em três partes a apresentação. Uma primeira a contextualização deste movimento, que é global, de combate à corrupção. Uma segunda trata-se brevemente da Lei anticorrupção brasileira. Uma terceira quando estuda-se as consequências para a responsabilidade do administrador, da nova legislação anticorrupção no Brasil.

O Conceito de Insumo na legislação da contribuição para o PIS e da Cofins: estado da arte da jurisprudência no Carf e futuros rumos a partir dos tribunais superiores

MOREIRA , André Mendes; CAMPOS, Eduardo Lopes de Almeida. O conceito de insumo na legislação da contribuição para o PIS e da Cofins: estado da arte da jurisprudência do CARF e futuros rumos a partir dos tribunais superiores. Revista de Direito Tributário Contemporâneo, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 139-162, jul./ago. 2016.

Assine nossa Newsletter

Acompanhe as publicações do SCMD no seu e-mail.