Artigos

Com atuação em diversas áreas do Direito Tributário, os profissionais do Sacha Calmon – Misabel Derzi Consultores e Advogados possuem intensa e destacada produção acadêmica.

Responsabilidade tributária do sócio no Código Tributário Nacional


Neste artigo, André Mendes Moreira busca analisar as previsões do Código Tributário Nacional acerca da responsabilização de sócios e administradores por dívidas tributárias das empresas. Para tanto, foca seu estudo nas previsões dos artigos 124, I; 132, parágrafo único; 134, VIII; e 135, III, do diploma normativo.

O autor, conclui em seus estudos que: a respeito da redação do Art. 124, I, que a solidariedade constante no artigo é vinculada a um “interesse comum juridicamente qualificado”, em que os interessados devem estar no mesmo polo da relação jurídica; sobre a previsão do Art. 132, parágrafo único, que somente sócios da pessoa jurídica extinta que constituírem outra sociedade e praticarem atos de comércio no mesmo ramo da sociedade anterior que podem responder por sucessão à empresa extinta; quanto à responsabilidade prevista no Art. 134, VII, que, em que pese a descrição de solidariedade, trata-se de responsabilidade subsidiária que somente é cabível no caso de sociedades de pessoas (com exclusão de sociedades anônimas e limitadas), e no caso de responsabilidade culposa dos elencados no dispositivo, referentes aos atos e omissões em que houve interferência; e, por fim, no tocante à responsabilidade do Art. 135, III, em que pese a ocorrência de práticas ilegais do fisco em diversos casos, que ela somente é cabível nos casos de ações dolosas, devidamente comprovado no curso do processo administrativo.

Artigo publicado na Revista Internacional de Direito Tributário da ABRADT, volume 10.

Acompanhe todas as nossas publicações

Newsletter

Resumo Diário

Assine o RSS

Conteúdo Relacionado

Execução fiscal: a falta de interesse processual em débitos de baixo valor

A execução fiscal, atualmente, é método notoriamente ineficiente, com baixo índice de recuperação de receitas e alto custo operacional. Neste artigo, André Mendes Moreira e Breno Santana Galdino questionam a utilização desse mecanismo para a cobrança de dívidas fiscais de baixa monta, situação na qual a já baixa relação custo/benefício da execução fiscal se torna injustificável.

Selic acrescida a depósitos e indébitos tributários não deve ser tributada

Por André Mendes Moreira e Pedro Henrique Neves Antunes 1) Acréscimos moratórios sobre depósito de tributos e indébito tributário recuperado O depósito de tributos e a repetição do indébito tributário são realidades recorrentes na vida dos contribuintes brasileiros. Aspecto comum a ambos é a incidência da taxa Selic: 1) ao longo do período em que […]

Um novo marco da tributação internacional: blueprints para os pilares 1 e 2 da OCDE

André Mendes Moreira, Fernando Daniel de Moura Fonseca e Aluizio Porcaro Rausch. OCDE promoverá evento virtual de consulta pública em que se pretende discutir o tema. No dia 12 de outubro, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (“OCDE”) oficialmente publicou os Blueprints para os Pilares 1[1] e 2[2], os seus mais recentes projetos […]